sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Oficina de Haikai - 6 - Rima. Ter ou não ter?




(Quem opina é a menina Nina que este tema origina e a oficina refina, a quem dedico essa rima. Ai, isso contamina e desatina!!)

O Haicai (ou Haikai, ou Haiku) originalmente, é claro, é em japonês e SEM rima. Explora, contudo, a sonoridade da língua japonesa. Delicada, com vogais marcadas. Me arrisco a poucas palavras em japonês, mas já convivi com muitos, trabalhei com vários, tenho entre meus compadres e melhores amigos descendentes de japoneses e até sobrinhos (minha irmã casou-se com um nissei). Por isso tenho certa familiaridade com a melodia do idioma japonês. Em português, procuramos a mesma essência e concisão. As rimas, aliterações e até trocadilhos dão um certo charme e cadência ao haicai mestiço, abrasileirado. Até o mestre Goga achava interessante. Mas não é regra. Aliás, desvirtua a regra. Mas, poesia é poesia. Se toca a alma e transmite a beleza zen do haicai, porque não?
Tenho uma toria particular sobre rimas. Eles são como gatos. Quando você chama, vai atrás, ela não vem. Deixe a rima vir, enrolar-se nas suas pernas, na hora que ela quiser. Aí você tenta tocar a rima fora e a danada volta! Só assim me aparecem as rimas boas!

Paciência de tartaruga
Cem anos
Em cada ruga
(Alexandre Brito)


que flor é esta,
que perfuma assim
toda a floresta?
(Carlos Seabra)

Três flores unidas
Criam caso na alcova do vaso
E tramam escondidas.
(Danita, rimado e Guilhermino)


Flor-estrela viva
Na copa da árvore galopa
Humilde e altiva.
(Danita, rimado e Guilhermino)

3 comentários: